Portal do Governo Brasileiro
  • Página Inicial
Voltar

Mobilização Social pela Educação em Araucária (PR)

Práticas:: Ações pontuais, Ação com Comunidade, PMSE como pauta de eventos
Parceiros: Outros parceiros, Setor Público, Secretarias de Educação e Escolas, Entidades do terceiro setor, Empresas
Unidade(s) Federativa(s): PR
Descrição:

População

119.123 habitantes (IBGE – Censo 2010).

Evolução no Ideb (Ensino Fundamental - redes públicas)

idebaraucaria - microsoft word

 

 

 

 

 

 

 

Contato

 

• Aline S. Macedo - RH-Sustentabilidade do Consórcio CCPR - Repar

aline.macedo@ccpr-repar.com.br

• Fábio Risério – gerente de Responsabilidade Social da Promon

Fabio.riserio@promon.com.br

• Walkyria Dias – gerente de Projetos do Instituto Razão Social

walkyria@razaosocial.org.br

Liderança (ator responsável)

Consórcio CCPR-Repar, formado pelas empresas Camargo Corrêa e Promon Engenharia.

Parceiros

Ministério da Educação, Instituto Razão Social, Instituto Votorantim, Instituto Paulo Montenegro, Secretaria Municipal de Educação de Araucária, Gerdau, Instituto Camargo Corrêa, Federação das Associações Comerciais e Industriais do Paraná (Faciap), Conselho Municipal de Educação, Guarda Municipal e associações de moradores.

Histórico resumido

O consórcio CCPR-Repar, formado pelas empresas Camargo Corrêa e Promon Engenharia, foi contratado pela Petrobrás para modernização e ampliação da Refinaria Presidente Getúlio Vargas – Repar, localizada no município de Araucária.

A Promon Engenharia busca colaborar no desenvolvimento de projetos educacionais e sociais nas comunidades onde atua. No caso de Araucária, a empresa propôs a Unidade de Responsabilidade Social o desenvolvimento de uma iniciativa que tivesse continuidade após a finalização da obra, mesmo após o encerramento da participação do consórcio. Coube ao Instituto Razão Social, instituição mantida pela Promon e pela Gerdau, a elaboração de um projeto que respondesse a essa demanda. O Instituto recomendou a adesão ao Plano de Mobilização Social pela Educação, do MEC, por meio da realização de ações de mobilização com os funcionários do consórcio e no município de Araucária. Originou-se, assim, o Plano de Mobilização Social pela Educação do Consórcio CCPR que depois foi ampliado no Plano de Mobilização Social pela Educação de Araucária.

Objetivos

• Disseminar a cultura de participação junto aos profissionais do consórcio, através da divulgação de informações, com foco na educação no município de Araucária.

• Oferecer aos profissionais uma ação social voluntária na área da educação junto ao município.

• Promover atividades que contribuam para a melhoria da qualidade da educação, como campanhas de sensibilização e ações que contribuam para a aproximação de pais e filhos nas escolas.

Metodologia - estratégias empregadas

Adoção de estratégia de atuação social alinhada ao modelo de negócio da empresa

Assim como outros projetos desenvolvidos pela Promon e a Camargo Corrêa, o modelo de negócio do consórcio CCPR-Repar em Araucária tem algumas peculiaridades importantes de serem consideradas na definição de estratégias de atuação social no âmbito de seus projetos. Entre elas, estão a duração determinada do projeto, a necessidade de contratação de mão de obra de outras localidades e a geração de impactos sociais diversos.

Considerando a duração determinada para a presença das empresas nas localidades onde se fazem presentes, o consórcio tinha a expectativa de investir em algum projeto que, no médio prazo, não dependesse mais de sua liderança. A intenção era desenvolver uma ação que fosse absorvida pelas instituições e comunidades locais; seria como um legado transmitido por sua passagem. O Plano de Mobilização Social pela Educação se ajustou ao modelo de negócio do consórcio, pois prevê a articulação e formação de atores locais para disseminar as mensagens relativas à importância da interação escola-família-comunidade. Integrados no Comitê de Araucária, os atores dariam continuidade às ações de mobilização no município.

A contratação de mão de obra de outras localidades é comum em obras de construção civil pesada. Apesar das empresas terem como diretriz a priorização de contratação de mão de obra local, é necessário buscar colaboradores em outras localidades, dada a quantidade relativamente grande de funcionários contratados em relação ao porte dos municípios nos quais ocorrem as obras e a necessidade de especialização. Além disso, as obras têm fases diferentes, o que incide em uma alta rotatividade dos funcionários. A sensibilização dos profissionais para participar da vida escolar dos filhos impacta suas famílias de origem: trata-se de algo que eles levam consigo no retorno para casa. O PMSE se adequa também à rotatividade dos profissionais, já que as ações de mobilização não exigem continuidade com o mesmo público por longos períodos.

A contratação de grande quantidade de pessoas de outras localidades para moradia temporária no município da obra (em 2011, o consórcio atingiu o pico de contratação com 3.488 profissionais) aumenta a população local, o que acarreta alguns impactos sociais. Para o consórcio, é importante contribuir com a comunidade na qual está inserido. O PMSE colabora com a valorização da educação do município.

Apoio de instituições parceiras no desenho do projeto

A elaboração do Plano de Mobilização Social pela Educação do Consórcio CCPR-Repar contou com o apoio dos Institutos Razão Social, Votorantim e Paulo Montenegro. O Instituto Razão Social é mantido pelas empresas Promon e Gerdau e tem como objetivo contribuir com os processos de ensino-aprendizagem e de gestão escolar nas redes públicas de ensino. Sua equipe foi a responsável por propor o projeto para investimento do consórcio.

O Instituto Votorantim colaborou com o desenho da proposta por meio do compartilhamento de sua experiência no projeto Parceria Votorantim pela Educação. O Instituto Paulo Montenegro já tinha um vínculo com o município de Araucária no desenvolvimento do programa Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião (Nepso), que promove o uso pedagógico da pesquisa de opinião pelas escolas públicas, e contribuiu com a realização de um levantamento sobre as formas adotadas pelos pais residentes no município para se relacionar com a escola dos filhos.

Divulgação da mobilização social pela educação nos instrumentos de comunicação do consórcio

O consórcio optou em utilizar os meios de comunicação interna existentes para divulgar junto aos funcionários mensagens a respeito do valor da educação e da importância dos pais acompanharem a vida escolar dos filhos. Para tanto, foi elaborado um plano de comunicação com a identificação dos instrumentos que seriam utilizados: murais fixados em áreas de grande circulação e informativo bimestral do Consórcio CCPR-Repar.

O aproveitamento dos meios de comunicação existentes é avaliado por integrantes do comitê do consórcio como um facilitador do trabalho, já que evitou a criação de novos fluxos que, ponderam, muitas vezes criam resistências.

Realização de ações de mobilização social pela educação nas atividades de recepção de novos funcionários

Como foi dito, uma obra de construção civil pesada tem várias fases, o que incide em uma alta rotatividade de profissionais. Para recepcionar e integrar os novos funcionários ao trabalho, o consórcio realiza dinâmicas chamadas de integração. A sensibilização para a importância do acompanhamento da educação escolar das crianças e adolescentes foi incluída na pauta dos encontros: são distribuídos exemplares das cartilhas produzidas pelo MEC e discutidas formas dos pais estarem presentes na vida escolar dos filhos, inclusive à distância.

Constituição de Comitê de Mobilização Social pela Educação do CCPR-Repar

A fim de contribuir com o desenvolvimento das ações, foi criado o Comitê de Mobilização Social pela Educação do Consórcio CCPR-Repar. Inicialmente composto pelos funcionários das áreas de Responsabilidade Social e Comunicação, o Comitê recebeu gradativamente a adesão de outros profissionais. Atualmente, sua composição é bem heterogênea, incluindo a direção e profissionais da produção. O comitê se reúne regularmente para planejar e avaliar suas atividades.

Os integrantes passaram por uma formação conduzida por representantes do Instituto Razão Social e da área de Responsabilidade Social da Promon para atuarem como multiplicadores do Plano de Mobilização Social pela Educação tanto no consórcio quanto no município de Araucária.

Constituição de Comitê de Mobilização Social pela Educação de Araucária

Após algum tempo realizando as atividades de mobilização internamente, o comitê do CCPR-Repar iniciou o planejamento de expansão das ações para a comunidade externa. O processo consistiu na articulação de atores diversos, como a Secretaria e o Conselho Municipal de Educação, empresas e associações comunitárias. Para se ajustar à nova configuração do trabalho, o comitê foi rebatizado como Comitê de Mobilização Social pela Educação de Araucária.

Para sinalizar a mudança, a equipe de mobilizadores projetou uma espécie de ritual para "passagem de bastão" do consórcio para o município durante o II Encontro de Mobilização Social pela Educação de Araucária, realizado no final de 2011. Após a apresentação do plano e seus resultados, os presentes – vereadores, deputados, técnicos da Secretaria de Educação, pais, professores, diretores escolares, empresários, entre outros – foram convidados para aderir ao movimento por meio da assinatura da Carta de Compromisso pela Qualidade da Educação em Araucária.

Levantamento das formas de relação entre pais e escolas entre os profissionais

A fim de reunir elementos para planejar as ações de mobilização, o Consórcio CCPR realizou um levantamento sobre as formas adotadas pelos pais residentes em Araucária para se relacionar com a escola dos filhos. Com apoio do Instituto Paulo Montenegro, foi elaborado um questionário aplicado a uma amostra de aproximadamente 400 pais.

A sistematização das respostas mostrou que a maior parte dos pais valorizavam a escola e a educação escolar dos filhos, mas não tinham a prática de participar ou acompanhar. Com os resultados, os mobilizadores estruturaram suas visitas às escolas.

Realização de Encontros de Mobilização Social pela Educação

Dois Encontros de Mobilização Social pela Educação foram realizados em Araucária como estratégia para ampliar para o município e outras cidades próximas (Almirante Tamandaré, Pinhais e São José dos Pinhais) as ações de mobilização desenvolvidas por iniciativa do Consórcio CCPR-Repar.

A Gerdau, empresa com unidade em Araucária, contribuiu com a articulação de órgãos e instituições para participação no primeiro encontro, realizado no final de 2010, que teve a presença de representantes da Secretaria Municipal de Educação, Conselho Tutelar, profissionais da educação e funcionários do Consórcio CCPR-Repar. Participou também representante do MEC, que falou sobre a importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos para a melhoria da qualidade da educação e orientou o trabalho dos mobilizadores da região. Durante o evento, foram ainda apresentados os trabalhos de mobilização desenvolvidos pelo comitê.

No segundo encontro, realizado em dezembro de 2011, foi elaborada a Carta de Compromisso pela Qualidade da Educação em Araucária (descrita na estratégia "Constituição de Comitê de Mobilização Social pela Educação de Araucária") e assinado termo de compromisso entre a Secretaria Municipal de Educação e o MEC para o desenvolvimento de atividades de incentivo à interação escola-família-comunidade. A programação do evento incluiu palestras conduzidas por conselheiras municipais de educação sobre a importância da participação dos pais na vida escolar dos filhos e comunicação proferida por representante do MEC sobre o Plano de Mobilização Social pela Educação. Entre os participantes, estavam representantes de órgãos públicos, empresas e organizações da sociedade civil, professores e pais de alunos, além de gestores e técnicos de educação dos municípios vizinhos Almirante Tamandaré, Pinhais e São José dos Pinhais.

Realização de Oficinas de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação

Com o objetivo de fortalecer a implantação do Plano de Mobilização Social pela Educação de Araucária, o Consórcio CCPR realiza Oficinas de Formação de Mobilizadores para os parceiros que aderem às ações. Já participaram dos encontros profissionais das empresas Gerdau, representantes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Implementação de Empreendimentos na Repar/ Petrobrás (Ierp) (empresa que fiscaliza as obras a Repar), professores e diretores escolares, entre outros. As oficinas são conduzidas pelo Instituto Razão Social e a Promon Engenharia ou por membros do comitê. Algumas dessas capacitações tiveram colaboração dos Institutos Votorantim e Paulo Montenegro.

Estabelecimento de parceria com a Secretaria Municipal de Educação

A Secretaria Municipal de Educação de Araucária é uma parceira estratégica para a continuidade do Plano de Mobilização Social pela Educação na cidade após a saída do consórcio. Os mobilizadores investiram na articulação com os gestores educacionais a fim de torná-los parceiros do comitê.

Desde o I Encontro de Mobilização Social pela Educação, a Secretaria tem apoiado e se envolvido com o plano no município. No final de 2011 foi assinado um termo de compromisso com o MEC a fim de desenvolver ações de fomento à interação escola-família-comunidade.

Realização de ações de mobilização social pela educação em escolas

O Instituto Camargo Corrêa realiza regularmente nas empresas do grupo o Dia do Bem Fazer, evento que visa incentivar a prática do voluntariado entre seus funcionários no desenvolvimento de ação social, como reforma ou organização de uma instituição (escolas, bibliotecas, entre outras). Em Araucária, os voluntários do comitê aproveitam a oportunidade para apresentar o PMSE e reforçar com a escola a importância da família acompanhar a vida escolar dos filhos.

Realização de palestras sobre o PMSE

A Secretaria Municipal de Educação de Araucária tem convidado o Comitê local para realização de palestras sobre o PMSE em eventos diversos, como a Semana de Prevenção ao Uso de Drogas e as comemorações do Dia da Educação. O Comitê também apresentou o plano no Conselho Municipal de Educação.

Mobilização de outras empresas para aderir ao PMSE

A fim de fortalecer o Plano de Mobilização Social pela Educação de Araucária, os mobilizadores do Consórcio CCPR-Repar realizam articulações com representantes de empresas sediadas no município para aderirem ao movimento. Os voluntários propõem reuniões para falar sobre o plano, convidam esses representantes para participação nas reuniões do comitê e em Oficinas de Formação de Mobilizadores Sociais pela Educação. A Gerdau e a Petrobrás estão entre as empresas que receberam visitas.

Disseminação do PMSE em outros projetos das empresas do Consórcio

A experiência bem sucedida do Plano de Mobilização Social pela Educação no município de Araucária tem motivado sua divulgação interna no Instituto Camargo Corrêa e na Promon Engenharia. A intenção é promover sua disseminação em outros projetos das empresas que compõem o consórcio CCPR-Repar.

Na Promon, a experiência foi exposta em uma reunião com dirigentes de obras. O distrito de São Roque do Paraguaçu, que fica no município de Maragogipe, Bahia, foi alcançado pelas ações do PMSE em 2011, e as cidades de Itaboraí e Macaé, no Rio de Janeiro, são municípios com obras da empresa onde podem ser realizadas ações inspiradas no caso de Araucária.

O Instituto Camargo Correa solicitou uma reunião com o MEC para conversar sobre a criação de um programa baseado no PMSE.

Disseminação do PMSE em outros municípios

As ações do Comitê de Mobilização Social pela Educação de Araucária têm repercutido em municípios vizinhos, como Curitiba, Pinhais e Almirante Tamandaré. Convidados para participar do II Encontro de Mobilização Social pela Educação, realizado em Araucária no final de 2011, os representantes dessas cidades apresentaram suas iniciativas.

Instrumentos de mobilização utilizados

Cartilha Acompanhem a Vida Escolar de seus Filhos

O Consórcio CCPR-Repar imprimiu dois mil exemplares da cartilha produzida pelo MEC para subsidiar as ações de mobilização social pela educação desenvolvidas em Araucária.

Zé Coque Notícias

O Zé Coque Notícias é o informativo mensal de divulgação das notícias do Consórcio CCPR-Repar, com tiragem de três mil exemplares, para distribuição entre os funcionários. Entre os assuntos abordados nas matérias sobre o Plano de Mobilização Social pela Educação, estão relatos sobre os encontros e oficinas alusivos ao tema, convite aos profissionais para integrarem as ações de mobilização e se envolverem efetivamente na vida escolar dos filhos, notícias educacionais oriundas dos portais do Todos pela Educação e do Instituto Votorantim, explicações sobre o que é o Ideb e depoimentos de funcionários sobre como sua participação tem impactado os estudos dos filhos.

Principais desafios enfrentados

Os principais desafios apontados pelos mobilizadores de Araucária são:

• Criar uma dinâmica de trabalho que permita deixar o legado da mobilização social pela educação para Araucária após o encerramento da presença do consórcio no município.

• Lidar com a grande rotatividade dos profissionais na obra, inclusive os integrantes do Comitê local. A circunstância impôs que a composição do comitê fosse totalmente reconstituída um ano após sua criação. Os mobilizadores avaliam que, nesse momento, o apoio do diretor da obra ao trabalho foi fundamental para a continuidade das ações.

• Conjugar a lógica empresarial do setor de infraestrutura pesada, na qual as ações têm começo, meio e fim, à lógica da mobilização, na qual os tempos de desenvolvimento das ações são menos precisos.

• Convencer os diretores do consórcio – na maior parte engenheiros – da pertinência de investir em ações sociais que apresentem resultados mais intangíveis e difíceis de mensurar no curto prazo.

• Persuadir os profissionais da obra a aderir ao Plano de Mobilização Social pela Educação.

• Conquistar o apoio da Secretaria Municipal de Educação, que inicialmente resistiu em aderir ao plano por julgar que este adotava uma atitude de cobrança em relação à efetivação do direito à educação de qualidade. Principalmente após a interferência do MEC, os gestores educacionais do município perceberam que a lógica é de parceria.

Resultados principais

Os principais resultados apontados pelos mobilizadores de Araucária são:

• Desenvolvimento de um projeto social que perpetue após a finalização da obra.

• Articulação e comprometimento de parceiros com a continuidade do PMSE no município por meio da assinatura da Carta de Compromisso pela Qualidade da Educação em Araucária.

• Mudança na forma das pessoas envolvidas com o PMSE, sejam os mobilizadores ou as pessoas que participaram de ações de mobilização, verem a Educação e sua participação no processo de melhoria da qualidade do ensino.

Perspectivas

A finalização da obra está prevista para 2012. O consórcio está formulando uma estratégia de acompanhamento das ações de incentivo à interação família-escola-comunidade por tempo determinado, até que o município assuma definitivamente o PMSE.

 

Objetivos:
© Ministério da Educação. Todos os direitos reservados | Desenvolvimento: DTI - MEC - Governo Federal